Distrito Federal

Detran ativará pardais do DF sem licitação


Detran faz contrato emergencial para garantir funcionamento de pardais

Mais de 350 equipamentos estão sem funcionar desde o fim do ano passado

O Detran (Departamento de Trânsito do DF) informou nesta terça-feira (14) que fará um contrato emergencial para religar radares eletrônicos que estão sem funcionar desde o fim do ano passado. O contrato terá 180 dias de duração e vai custar R$ 1,9 milhão. O departamento já começou a preparar a licitação para escolher a empresa que vai cuidar do serviço.

Os pardais pararam de funcionar em dezembro do ano passado. Já os equipamentos que controlam o avanço de velocidade em semáforos foram desligados no dia 4 da janeiro. Ao todo são 358 equipamentos.

Durante esses dias, nenhum motorista do DF foi multado. A previsão é que os equipamentos voltem a funcionar até o domingo (19). Segundo o Detran, o problema todo ocorreu porque os contratos de manutenção venceram e não foram renovados.

Fonte: R7

COMENTO

A grande verdade que se esconde por traz de uma falsa ilusão de que a preocupação do estado é garantir mais segurança no trânsito, é que os equipamentos de monitoramento de velocidade se mostraram grandes arrecadadores de dinheiro, ou seja, o que inicialmente tinha como objetivo funcionar como um elemento educador através da penalidade financeira, é hoje um claro e obscuro método legal de arrecadação, o que na minha opinião é vergonhoso pro governo e para as instituições que gerenciam o trânsito, pois mostra sua ineficiência em educar e sua robustez em punir. Um país que não investe em educação porque acha no método punitivo uma ferramenta mais atrativa, precisa repensar sobre sua metodologia de controle de acidentes de trânsito. As mortes ocasionadas por acidentes de trânsito, os abusos de velocidade, a insensatez de quem mistura álcool e volante, e todas as formas de transgressão no trânsito não podem servir de estratagema para sobrecarregar a população de meios punitivos onde a educação e prevenção foram esquecidas.

Cabo BM Alessandro Justino Santana

 

 

Print Friendly