Polícia

POLICIAL CONDENADO A 91 ANOS, E OS BANDIDOS… DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS


Agentes do Centro de Progressão Penitenciária são condenados por corrupção

Três funcionários do Centro de Progressão Penitenciária foram condenados a até 91 anos de cadeia. Eles estão presos desde 2011 suspeitos de terem recebido propina para flexibilizar o horário de entrada e saída dos detentos do regime semiaberto

A Justiça condenou três agentes do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) por corrupção passiva e formação de quadrilha. Eles são acusados de receber propina para flexibilizar o horário de entrada e saída dos presos em regime semiaberto. Apontado como líder do grupo, o agente Sérgio Vieira Campos recebeu pena de 91 anos de cadeia. A decisão é de primeira instância e cabe recurso. Os três condenados estão presos preventivamente desde 2011. Durante o processo, eles alegaram inocência e contestaram as provas usadas pela Justiça. O caso aumenta a lista de polêmicas relacionadas ao CPP: o Ministério Público investiga supostas regalias concedidas a condenados pelo mensalão, detidos no mesmo local.

Os agentes penitenciários do CPP foram denunciados depois de investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do DF e Territórios. Segundo as apurações, entre março e outubro de 2010, os agentes penitenciários Sérgio Vieira Campos, conhecido como Highlander, Antônio Amilton Marinho Crema e Luiz Pereira de Souza, além do interno Reginaldo Dantas da Silva, comandaram um esquema de cobrança de propina dentro do CPP. A Corregedoria da Polícia Civil também atuou no caso, e a Justiça liberou a utilização de escutas e interceptações telefônicas.

Em julho de 2010, em uma conversa, dois presos prometeram R$ 600 para Sérgio liberá-los do recolhimento durante um dia. Em outro caso, no mesmo ano, a oferta foi de um celular habilitado. Alguns membros falavam em código: o pagamento de “aulas” era uma das senhas. Além dos policiais, os 35 internos que teriam pagado propina aos agentes são citados na ação.

Fachada do Centro de Progressão Penitenciária, onde acusados pelo mensalão cumprem pena no semiaberto: denúncia de corrupção em 2010

Fachada do Centro de Progressão Penitenciária, onde acusados pelo mensalão cumprem pena no semiaberto: denúncia de corrupção em 2010

 

Fonte: Correio Braziliense

 

COMENTO

Quem comete crime tem que ser punido mesmo, ainda mais quando se trata de servidores públicos. O policial tem que dar exemplo e ficar distante da vida marginal. Isso todo policial e bombeiro sabe de carteirinha, mas ter uma punição de quase 100 anos de cadeia enquanto homicidas, latrocidas, sequestradores e traficantes ficam apenas alguns anos na cadeia é no mínimo insatisfatório e desigual. Se corrupção tem que ter pena exemplar, os sentenciados do famoso MENSALÃO tem que pegar 500 anos de cadeia! Reafirmo que “ajoelhou tem que rezar” (dito popular), ou seja, cometeu crime… receba! Contudo ver estes ex-policiais tendo uma punição um tanto enérgica enquanto a maioria dos marginais passa apenas algumas “férias” na cadeia é termômetro de um país que precisa urgente rever seus códigos legais.

Não vejo o futuro da segurança pública com bons olhos já que a mídia e muitos formadores de opinião parecem ter apenas um assunto: “queimar o filme da polícia”! Não quero com isso que pensem que o policial está acima da lei, não! Mas isolar fatos para se ter álibi para denegrir uma profissão tem sido uma missão explicita de alguns canais de televisão, jornais escritos e sites. E no meio de tudo isso ainda tem deputado que apresenta projeto de lei no Congresso Nacional para acabar com o crime de tráfico de drogas e outro que quer legalizar a maconha e outras drogas.

Neste ano teremos eleições para diversos cargos eletivos e espero que os bombeiros, policiais e toda a sociedade de bem saiba bem o que fazer na hora do voto, pois como dizia o saudoso Chico Anysio “Urna não é pinico!”

 

Cabo BM Justino

urna pinico

Print Friendly

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *